Sinais (incómodos) dos tempos

June 15, 2008 at 7:47 pm (Strange Land)

Os leitores começaram a aperceber-se dos primeiros sinais de mudança no mercado dos livros quando a Leya decidiu desafiar os ditames da APEL sobre a organização da Feira do Livro de Lisboa, envolvendo o certame numa longa polémica polvilhada de contradições, ameaças e insultos velados da parte de todos os envolvidos. Se muitos suspeitaram que o episódio da Feira seria apenas o primeiro de muitos, foi com a abertura da Praça Leya que todos receberam a confirmação de que o grupo iria optar por tácticas agressivas e dominadoras para impor a sua lógica capitalista.

A infame Praça Leya da Feira do Livro eliminou todo o seu catálogo menos comercial e popular, colocando à venda apenas uma meia dúzia de livros bem-sucedidos por cada chancela. Num canto perdido de armazéns empoeirados ficaram todas as outras colecções publicadas no passado. A Leya e respectivas chancelas – e falamos daquelas que foram no passado algumas das maiores editoras históricas do país – Caminho, D. Quixote, Asa, Texto, Gailivro, com a notícia recente de que também a Oficina do Livro passaria a fazer parte do Grupo Leya – estão na origem de um profundo mal-estar que se começa a fazer sentir no seio das outras editoras, em particular, as pequenas e médias editoras.

O dinheiro move montanhas, e quando não se tem falta dele, não há muito que possa travar a marcha da máquina comercial dos gigantes da edição que se tornaram as chancelas da Leya. A parceria recentemente anunciada com a Casa Fernando Pessoa pode parecer inocente à partida, mas a julgar pelas palavras da actual Directora da Casa Fernando Pessoa, Inês Pedrosa (também autora publicada pela… Leya), o grupo é quem praticamente sustenta a Casa, uma vez que o orçamento disponibilizado para a gestão da CFP nem chega para pagar suficiente papel higiénico.

Talvez não seja de todo despropositado comparar-se a Leya ao monstro Caríbdes, o abismo que devora as ondas, e três vezes por dia, as vomita com formidáveis rugidos. Mesmo para os afortunados que conseguem escapar ao seu perigo, acabam devorados por Cila. Como poderão as editoras pequenas e médias fazer frente a tal formidável oponente que fará tudo para impor as suas tácticas dominadoras no mercado dos livros?

Mercado este que tem poucas qualidades positivas que se possam realçar. Todas as semanas saem centenas de novidades, impossíveis de serem absorvidas por um público generalista, mais atento a livros vistosos, caros e bonitos, em detrimento da qualidade literária. Não podemos cometer o erro de afirmar de que toda a gente que compra livros conhece os livros que compra.

É um público que ainda não conseguiu ver os benefícios da Internet na compra e divulgação de livros, sendo ainda totalmente alheado da compra de livros portugueses online. É na sua maioria indiferente à blogosfera, a não ser que alguma polémica se tenha instalado em torno de algum plágio (ver o caso insólito e grotesco das acusações de plágio a Miguel Sousa Tavares). Raramente dá atenção à crítica literária que surge nos (cada vez mais) parcos suplementos literários. E ao contrário da restante população mundial, os portugueses ainda descobrem as novidades literárias primeiramente através dos meios de comunicação social, e só mais tarde, através da Internet.

Esta falta de adaptação do leitor português aos tempos modernos poderá ser um reflexo dos próprios modelos tradicionais instaurados pelos livreiros e editores que temos. Até há cinco anos, quem é que me saberia apontar um site decente de uma editora portuguesa?

Se houve alguma coisa que mudou o panorama definitivamente para melhor foi a abertura das FNACs. Não só trouxeram uma incomparável diversidade na oferta de livros, como proporcionaram oportunidade para todos os protagonistas na área dos livros mostrarem os seus catálogos. Antes das FNACs, nem editores, nem tão pouco livreiros, se davam ao trabalho de escutar as necessidades do público leitor. Havia uma falta de profissionalismo gritante no atendimento público dos potenciais compradores de livros, e existia uma total falta de comunicação entre leitores e editores. Chegámos ao início do século XXI com o público moldado pelas editoras e livreiros que tínhamos: desinteressado, desinformado e atrasado em relação aos seus semelhantes europeus.

Felizmente, as coisas começaram a mudar com o surgimento de novas editoras, mais dinâmicas, acessíveis e inovadoras. O mercado dos livros em Portugal foi forçado a profissionalizar-se, mesmo que no fundo nunca tivesse sido nada mais do que caótico e desorganizado. E não irei abordar aqui os graves problemas de distribuição que afectam esta área, e que impedem um verdadeiro trabalho de edição e progresso cultural no país, pois aí o panorama é verdadeiramente deprimente e desencorajador.

Mas ainda assim, notou-se uma evolução positiva no mercado graças a esta crescente profissionalização. Até que o impensável aconteceu e todas as editoras de peso foram compradas, uniformizadas e tornaram-se máquinas de arrotar produtos. Correndo o risco de soar dramática, instalou-se um cenário orwelliano onde as instituições públicas são descaradamente compradas para fazer publicidade a grupos de esmagador poder financeiro, onde os livros que vendem menos do que cem exemplares por ano são eliminados e indignos de entrar nas livrarias, onde a classe jornalística foi silenciada porque têm os seus próprios interesses a defender, e onde o independente e alternativo, o pequeno e médio, deixaram de ter simplesmente lugar.

Os sinais de mal-estar multiplicam-se e, escondidas do público em geral, desenrolam-se muitas discussões onde se tem desafiado a lógica que a pouco e pouco se tem instalado. A discussão em torno dos booktrailers, iniciada pela editora Livros de Areia, foi apenas mais uma situação em que pudemos observar como os livreiros agora se têm descartado das suas responsabilidades de promoção e divulgação cultural e literária e se tornaram coniventes com esta absoluta dominação do mercado determinada a arrasar com a competição por todos os meios possíveis.

Em vez de serem as próprias livrarias a disponibilizarem os seus monitores para passarem booktrailers de todas as editoras, assistimos ao absurdo de serem as editoras a ter que fornecer os meios e a alugar o espaço para que seja possível tal exibição de trailers. Ganha quem tiver mais músculo financeiro, obviamente.

Apesar de tudo, é bom observar como se têm multiplicado os apelos para uma união dos editores independentes. Talvez seja agora a altura ideal para pôr em marcha uma associação profissional que defenda verdadeiramente os interesses daqueles que mais estão a ser prejudicados pela nova conjectura de mercado (não seguindo os maus exemplos da UEP), uma associação que crie a sua própria rede de distribuição e livrarias e construa a sua própria máquina publicitária. Pode parecer impossível ser criada semelhante coisa em Portugal, mas alguém tinha previsto o surgimento da Leya há 1 ano?

2 Comments

  1. Miguel Garcia said,

    Bom dia Safaa,
    Penso que há uma questão importante, de uma forma ainda verde, já existe essa associação de editoras marginais.
    Conseguimos ter em eventos como o Forum Fantástico, o qual coordenas, representantes dessas várias editoras(concorrentes), temos autores “filiados” na SE a escreverem para outras editoras (Chimpanzé Intelectual), mais ainda, temos editores de outras editoras(Livros da Areia) a escreverem para essas duas editoras referidas acima, de certa forma temos uma cooperação.
    Depois ainda temos as duas politicas, e devo confessar que concordo com as duas: Só publicamos o que queremos, ou, temos de publicar algum main stream para conseguir editar o que queremos, uns mais bem sucedidos do que outros, mas são opções.

    Hoje a venda de livros está mais orientada para o gesto bonito e pseudo intelectual que é oferecer livros. Fica sempre bem oferecer à familia e amigos um livro do Lobo Antunes, Paulo Coelho, Saramago, ou do jogador de football, ou ainda dos livros que nascem dos casos polémicos da tão agitada sociedade portuguesa… porquê? É uma prenda relativamente barata, e ainda que as pessoas desconhecam a verdadeira natureza do livro, ou da literatura, sabem lá no fundo que é algo com um status cultural e intelectual valioso. E para isso contribui em muito as lojas como a Fnac, que primam pela apresentação, publicidade e em alguns casos pelo preço.

    As edições mais velhas e menos bem sucedidas, felizmente ainda não são queimadas numa fogueira no Terreiro do Paço, acabam por ir para feiras do livro, por vezes a preços muito mais interessantes, não são é acompanhados com a publicidade dos outros, mas ainda sabemos que elas existem.

    Eu tento ver esta crise literária, e acima de tudo cultural, como uma passagem menos feliz das edições, as series como Argonauta, Vampiro, etc, acabaram (ainda que algumas voltem às prateleiras da fnac de forma escondida), mas hoje temos FF, BANG!, mais um MOTELX espero que traga mais um lançamento de horror, temos os blogs, forums dedicados a generos e autores… há coisas que foram, mas existe muita coisa que apareceu para renovar o espirito do leitor marginal.

    Espero que o espirito que deixaste neste post se propaque!
    Obrigado!
    Abraço

  2. Francisco Norega said,

    Subscrevo =P

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: