Edgar Allan Poe

January 2, 2008 at 9:43 pm (Livros/BD/revistas)

Texto inicialmente publicado a 7 de Outubro de 2005
Edgar Allan Poe morreu há cento e cinquenta e seis anos em circunstâncias misteriosas. Tinha apenas quarenta anos, mas o seu legado literário seria uma influência profunda a vibrar pelas décadas fora.

Nascido a 19 de Janeiro de 1809, Poe perdeu ambos os pais muito cedo, sendo adoptado por uma família de comerciantes de Richmond, Virginia. Nunca fora uma criança e adolescente fácil de lidar e as suas relações com o pai adoptivo chegaram ao ponto de ruptura total, após o seu abandono de uma carreira militar.

Dando início a um novo período da sua vida em Baltimore, Maryland, Edgar Allan Poe começa a trabalhar no meio jornalístico como editor. É por volta desta altura que se casa com a sua prima Virginia, uma noiva de apenas 13 anos de idade. Muitas lendas rodeiam o seu casamento e o seu amor incondicional por Virginia, uma frágil criança-esposa que a morte prematura por tuberculose iria roubar a Poe, destroçando-lhe a vida.

Ele exprimiu a intensidade do seu amor e prestou-lhe o seu tributo no soberbo poema Annabel Lee, a história de dois amantes cujo amor foi invejado pelos próprios anjos.

And the stars never rise but I feel the bright eyes
Of the beautiful Annabel Lee;
And so, all the night-tide, I lie down by the side
Of my darling – my darling – my life and my bride,
In the sepulchre there by the sea,
In her tomb by the sounding sea.

Os Românticos encontram muitos elementos na vida do autor que engrandecem ainda mais o mito de escritor amaldiçoado. Na verdade, ele foi uma das figuras de vanguarda de um género que começava a despontar na literatura norte-americana – o Gótico – onde seriam características como o sobrenatural e o terror psicológico a marcar a diferença.

Mas antes de ser reconhecido como gigante literário, foi com o poema The Raven, publicado num jornal em 1845, que Poe começou a fazer sensação. O poema narra uma visita de um misterioso corvo a um homem destroçado pelo amor. Seria laureado pela posteridade como uma das mais perfeitas composições poéticas norte-americanas e estabeleceu a reputação e o prestígio de Poe como poeta, mas o seu contributo literário ainda não ficaria por aí.

Uma outra forma em que se esmerou, e que abriu o caminho para uma geração inteira de novos escritores, foi no conto, como palco das suas histórias policiais e de crime, onde o terror e o mistério jogam um elemento essencial para a construção da narrativa. Contos como The Murders in the Rue Morgue, The Mystery of Marie Roget ou The Purloined Letter ditaram o nascimento do género detective e mistério, influenciando escritores como Conan Doyle e a sua criação Sherlock Holmes.

São essas peças ficcionais e outros no campo do horror que ditaram a popularidade de Poe, e já são muitas as que se tornaram clássicos com um lugar firme estabelecido no imaginário popular e literário. As suas personagens são, muitas vezes, homens com uma existência atormentada e com o coração oprimido por dor e culpa. Temos nesta onda o já mítico The Fall of the House of Usher ou The Tell-Tale Heart.

Loucura, Morte e alucinação são temas frequentes na sua obra e a própria consciência humana não era alheia a um exame por parte do autor. A sua ficção era constantemente invadida por uma necessidade de reflexão sobre o lado sombrio da alma e a capacidade desta para lidar com o tormento até a um ponto de ruptura em que já não é possível regressar.

1 Comment

  1. Miguel Garcia said,

    Boa noite Safaa, uma bela e devida homenagem ao grande mestre do horror.
    Li no outro dia o ensaio de Lovecraft sobre o Horror Sobrenatural, e são por demais os elogios ao seu mestre, e refere esse facto que o separa dos outros autores, (anteriores, contemporaneos e posteriores) um estudo da patologia do medo nas pessoas, que sem dúvida contribuiu para o seu impacto nas mentes menos e mais sensiveis.
    O meu conto de eleição, ainda que sejam vários, é o Enterro Prematuro, não faz parte do saco do Fantástico, e penso que isso torna-o mais assustador, porque foi real…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: