Scoop de Woody Allen

January 21, 2007 at 12:34 pm (Cinema e TV)

Não pretendo alongar-me muito sobre Scoop de Woody Allen porque, francamente, não há muito a dizer. Há muito tempo que não via um filme tão mal aproveitado.

Uma jornalista americana (Scarlett Johansson) à procura de uma grande oportunidade para ganhar um nome no meio jornalístico é abordada por um fantasma de um repórter famoso (Ian McShane), recentemente falecido, que lhe indica as pistas de uma possível grande reportagem – Peter Lyman (Hugh Jackman), filho de um aristocrata, seria possivelmente um serial killer. A ajudar a jornalista sonsinha, temos a personagem de um velho mágico (Woody Allen) que introduz algum sentido de humor numa história bem seca e previsível. Como comédia romântica light, Scoop falha em todos os sentidos.

Scarlett está longe de brilhar como actriz em comédia e bem que podia tirar algumas lições com boas actrizes cómicas em televisão. E eu nem sequer tenciono compará-la às grandes senhoras como Lucille Ball ou Katherine Hepburn. É quase doloroso ver as suas falas a falharem e a não provocarem nem um único riso. Hugh Jackman é remetido para um papel muito superficial e tão cliché que estamos constantemente à espera que Woody Allen subverta esse mesmo cliché. O que nunca acontece.

É bastante óbvio que Woody Allen gosta de protagonismo porque rouba o estrelato a Jackman e é a química que se ocasiona entre ele e Sondra Pransky que mais ocupa tempo de antena. Há algumas grandes cenas iniciais em que McShane tenta ludibriar o GrimReaper e, honestamente, é a ele que pertencem os melhores momentos. Pena é serem tão poucos e limitados.

Uma desilusão intensa é o que fica após o visionamento deste filme esquecível e com um elenco imensamente sub-aproveitado. E é uma pena, uma vez que vem no seguimento de Match Point, uma construção perturbante, em tons dostoievskianos, de um crime perfeito, com grandes toques de angústia presentes na personagem de Jonathan Rhys Meyers. A meu ver, muito bem feito. Pena é que o seu sucessor, Scoop, não esteja minimamente à altura.

3 Comments

  1. Bruno said,

    Como fan do Woody Allen não fiquei nada desapontados com o filme, até gostei bastante.

    Aliás, já tinha saudades de um filme destes, o Match Point era muito melhor mas também foge um pouco ao tipo de filmes que ele costuma fazer. As comédias que ele tinha feito em Nova York antes do Match Point eram bem piores (e.g. Small Time Crooks ou The Jade Scorpion).

    Este tinha todos os elementos de um bom filme do Woody Allen, as piadas sobre enganar a morte, as velhas tiradas estilo Groucho Marx (e neste filme mesmo muito boas, coisas do tipo “era judeu mas depois converti-me ao narcisismo” ou “eu não preciso de exercício porque a minha ansiedade funciona como aeróbica”).

    O filme não é suposto surpreender pelo enredo… serve antes de desculpa para ele mostrar mais uma vez as suas opiniões sobre a vida com piadas do Groucho. Seja a Scarlet ou Hugh Jackman, as personagens vêm da mesma caneta (no caso da Scarlet coitadinha, ela bem que se esforçou para mostrar um lado mais neurótico lol. São muito poucos os actores que marcaram os personagens dele, provavelmente apenas a Diane Keaton e a Mia Farrow. Não iam ser aqueles dois cromos com certeza). Quem não gosta dos filmes dele não é com este que vai passar a gostar, mas os fans acho que têm motivos para estar satisfeitos. Ele continua em grande forma e queremos outro para o próximo ano🙂

    Diria mais ainda, acho que ele não tem de provar novamente todos os anos que é um génio. Filmes como o Annie Hall, o Manhattanm, o Deconstructing Harry ou o Mighty Afrodity já fizeram isso. Não me lembro de nenhum relalizador com a produtividade dele e que ao mesmo tempo tenha filmes tão bons o ocasionalmente tão inovadores. Basta-me umas quantas piadas novas em cada filme e já estou satisfeito.

  2. Safaa Dib said,

    Eu sei que ele não tem que provar nada, mas não é isso que muda o facto de ter achado Scoop um filme muito simplista e aquém das expectativas. Sabe a pouco. Sim, tinha piadas giras, não o nego, mas essas piadas não compensam os noventa minutos de filme em que senti que estava perante uma seca desinspirada.

    Ou então o problema é meu que preciso de muito mais para me sentir satisfeita com uma comédia romântica. Para mim não basta ver as ideias de Woody Allen sobre a vida, preciso de uma boa história e preciso de boas interpretações para me sentir inteiramente cativada.

  3. Bruno said,

    Pois, mas eu não fui ver uma comédia romântica, fui ver uma comédia do Woody Allen🙂

    É provavel que o Scoop seja uma comédia romântica muito fraquinha, mas é uma boa comédia do Woody.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: